Kids

07/11/2016

*Por Rodrigo Lucchesi, maratonista

Na minha família, minha paixão pela corrida já serviu de estímulo pra muita gente começar a correr. Minha mãe já participou de algumas provas de 5 km, meu irmão e meu cunhado já fizeram maratona “treinados” por mim, minha irmã já fez meia-maratona...até a minha mulher eu botei para correr (no bom sentido, é claro!).

Mas quem mais me orgulha quando vejo correndo são meus filhos. As crianças naturalmente já têm uma pré-disposição para o exercício e uma vontade de praticar esportes que os adultos perdem em algum momento da vida. Então é fácil estimular uma brincadeira esportiva entre os pequenos. E é nessa fase da vida que devemos mesmo fazer isso para que a prática de esportes se torne um hábito que eles levem para suas vidas adultas.

Lá em casa a vontade dos filhos de correr veio naturalmente, sem nenhum planejamento. De tanto me verem sair para correr, participar de provas e chegar em casa com medalhas no peito e um sorriso no rosto, a curiosidade surgiu.

Meu filho mais velho, o Max, de 7 anos, adora correr e já participou de 6 provas infantis. De uns tempos pra cá, além das corridas, tem pedido para treinar comigo na rua. Então, nos dias em que corro com ele (normalmente um domingo), saio pra treinar sozinho primeiro e colocar minha quilometragem em dia. Depois, passo em casa e saio com ele pra correr de 1 a 1,5km, bem devagar, de forma que a gente possa ir conversando, olhando a paisagem. É importante deixar a criança ditar o ritmo e a evolução na distância, para não correr riscos e evitar alguma lesão que eventualmente acabe afastando seu interesse pelo esporte.

A pequena Flora, de 3 anos, também está começando a se interessar pela atividade. Fora as duas provas infantis que já correu, já pediu algumas vezes para ir correr comigo na rua e não hesitei: saí para dar uma volta na quadra trotando bem devagarinho com ela.

Esse é o tipo de pedido que vou sempre fazer de tudo para atender, independentemente das circunstâncias. Acredito que, depois da educação, o maior legado que posso deixar para meus filhos é o gosto pela atividade física.

Seja qual for o esporte que eles pratiquem, ao vê-los crescerem saudáveis e fisicamente ativos, sentirei que terei cumprido minha missão. Além do benefício físico, sair para correr com meus filhos também tem servido para estreitar nossos laços, é um momento só nosso, sem interferências, é quando podemos conversar e nos divertir juntos. É preciso disciplina para conciliar os treinos com a vida em família, e jogo de cintura para se adaptar aos imprevistos (sim, eles vão acontecer), mas vale muito a pena! E você, já saiu para correr com seus filhos? Bons treinos!

*Rodrigo Lucchesi é corredor viciado, já correu 8 Maratonas, 12 Meias entre outras provas menores, mas garante que está só começando. Escreve para a Revista Contra-Relógio e o blog Linhas de Chegada. Acompanhe Rodrigo no Instagram - @rodrigo21fev79  e no Twitter - @rdlucchesi.

MENSAGEM_CONFIRMACAO